Como usar Spikes em projetos ágeis - Site Campus

Como usar Spikes em projetos ágeis

spikes

Você já ouviu falar de Spikes em métodos ágeis? Saiba neste artigo como utilizá-la para acelerar as entregas do seu projeto trazendo valor rapidamente ao seu cliente.

No artigo anterior falamos sobre como você pode gerenciar suas metas e ter sucesso nos seus planos pessoais. Agora vamos falar sobre o conceito ágil Spikes e como ele é fundamental para o sucesso do seu projeto.

Protótipo, Pesquisa, Simulação, maquete, entre outros. Estes são alguns termos que podemos usar para explicar o conceito da Spike.

Uma Spike nada mais é que um período em que você irá simular algo incerto no seu projeto. Quando não sabemos muito bem como será o produto final, podemos fazer algumas simulações e testes. Com tanta incerteza não podemos estimar o restante do projeto, desta forma nada melhor do que simular nas Sprints iniciais os conceitos-chave do seu projeto.

Imagine que você precisa desenvolver 30 telas em uma linguagem que sua equipe nunca utilizou. Como estimar o tempo se você não sabe quando levaria? Uma Spike pode ser criada para o desenvolvimento das 4 primeiras telas para que a equipe avalie a dificuldade.


Agora outro exemplo. Você quer muito um aquário mas nunca cuidou de nenhum. Não teve sequer um betta mas seu sonho é ter um aquário de 700 litros.  Será que você já deve comprar um aquário de 700 litros ou começar com um menor?

Mesmo que você tenha informações de especialistas e muita informação do mercado, você pode criar um período de Spike em que irá comprar um aquário menor (por exemplo, 40 litros) e cuidar de poucos peixes. Você irá aprender sobre os filtros, como montar o aquario e como cuidar dos peixes.

Nos dois exemplos, imagine que deu errado. No primeiro o custo para desenvolver é muito caro, ou muito difícil. Já no aquário você percebeu que não tem tempo para cuidar como se deve. Em ambos você cancela o projeto.

Em um primeiro momento você pode pensar que teve prejuízo. Sim, mas o menor possível! Você usou o conceito ágio de falha rápida. Investiu um pouco para comprovar se o projeto poderia ter sucesso. Já pensou se você tivesse assinado um contrato com estimativas inferiores para desenvolver as 30 telas? Já pensou o gasto que você teria tido por comprar um aquário de 700 litros com todos os acessórios necessários?

Veja que a Spike, assim como a sprint, é um tempo pré-definido e limitado. Pode ter a mesma duração da sprint, ou de um conjunto de sprints. Ao planejar as sprints do período da Spike tenha bem claro o que será testado e até que ponto vão avançar.

A definição básica de Spike fica clara: Não temos noção do que é, também não temos noção do que fazer mas precisamos descobrir isso de maneira correta e rápida. Quer saber mais sobre métodos ágeis? Confira nossos cursos gratuítos!

Mas porque a Spike precisa ser um time-box?

Simples, o objetivo é usar o conceito de falha rápida. Vamos testar algo, avaliar algo, simular algo e temos que criar limites. Não estamos buscando a solução perfeita ou o produto final. Mesmo que os resultados sejam reaproveitados em caso de continuidade do projeto, o objetivo da Spike é comprovar a viabilidade do projeto com o menor tempo e custo possível.

Mas qual é a diferença entre uma ‘Análise’ e a Spike? Veja a Spike como uma maneira de descobrir como fazer. Já uma análise é relacionada a descobrir o que fazer.

Spike não é uma solução mágica!

Ao criarmos uma Spike, a nossa equipe irá assumir que não possui experiência ou conhecimento em algo mas mesmo assim quer tornar este algo real porém não sabe como. Precisa então descobrir como e determinar se é algo atingível e viável.

Todo projeto precisa ser, no mínimo, desejável, realizável e viável. Se qualquer um destes requisitos falharem, os outros falharão. A Spike tem como objetivo ajudar a unir estes 3 requisitos.

Cuidado com as estimativas!

O próprio conceito de Spike é a incerteza, então você terá dificuldades em estimar a velocidade e os itens que irão desenvolver durante a Spike. Isso não é um problema já que o objetivo da Spike é justamente este: Determinar não somente a viabilidade do produto do projeto mas também ajudar nas estimativas como um todo, incluindo a velocidade do time.

Mas atenção: Não use Spikes para fugir de estimar seu projeto! Faça o necessário para entender a viabilidade e dificuldade do projeto e use o que descobriu para estimar. Se percebe que precisa de mais Spikes é porque o produto não está bem definido ou o backlog não está priorizado da melhor maneira.

Não tenha medo de estimar. Uma estimativa não é gravada na pedra. Você como membro de uma equipe ágil precisa ter condições de ajustar as estimativas conforme o projeto vai ficando mais claro para todos.

Espero que tenham gostado do artigo! Usam spikes nos seus projetos? Comentem, vamos compartilhar experiências! Obrigado pela leitura e até a próxima!

Tags: ,

Mostrar botões
Esconder botões