Porque estimar com Story Points é melhor que com horas - Site Campus

Por que estimar com Story Points é melhor do que com horas?

Porque estimar com Story Points é melhor que com horas

Confira neste artigo porque estimar atividade com o uso de Story Points vale mais a pena do que estimar com quantidade de horas!

Há motivos que explicam porque estimar os itens com Story Points é melhor do que estimar com horas em um projeto Scrum… Mas, antes, você sabe o que são Story Points? São números que atribuímos para atividades ou pacotes de trabalho e que vão representar algum parâmetro. Podem ser horas, mas podem ser muito mais do que isso! Você pode criar seus parâmetros ou utilizar boas práticas, como a sequência de Fibonacci.

Um planejamento adaptativo é uma prática chave na metodologia Scrum

Estimar tarefas pode ser assustador quando um projeto está no seu começo, afinal, determinar um número de horas necessárias antes mesmo de qualquer trabalho ser feito, não só pode ser difícil, como também pode ser impreciso.

O tempo necessário para superar eventuais obstáculos pode fazer com que as estimativas pareçam inflacionadas. Story Points reduzem o esforço gasto na estimativa para que possamos tirar o projeto do chão o mais rápido possível.

Afinal, é ainda mais difícil prever os impedimentos que podem surgir durante o andamento do projeto. Usar horas para a estimativa pode dificultar a relação com o progresso do projeto, especialmente porque são as mesmas unidades usadas para medir nossas semanas de trabalho.

Por exemplo, se uma equipe completa 300 horas de trabalho em uma semana e 200 horas de trabalho na próxima, podemos avaliar que a equipe está decaindo. Mas isso pode ser devido à complexidade das tarefas ou devido a outros obstáculos não relacionados com o projeto em si.

Se estivéssemos utilizando horas para estimar o backlog, sempre que a produtividade do time mudasse teríamos que rever a estimativa de todo o restante do projeto. E a produtividade é alterada toda hora, pra melhor e pra pior, de acordo com a evolução natural do projeto e muitos gerentes de projeto tradicionais gastam muitas horas do seu tempo fazendo exatamente essa adaptação. Isso é desperdício, trabalho desnecessário.

Story Points são uma forma relativa de estimar esforço para tarefas. Eles indicam a dificuldade de uma determinada tarefa. Estimam o tamanho da história e não necessariamente as horas que podem ser necessárias para concluir a atividade.

Isso garante que a estimativa não é subjetiva e é uma métrica para toda a equipe, ao invés de ser baseada na proficiência de um indivíduo.

O único motivo para alterar estimativas feitas com Story Points é a alteração no escopo de uma história ou no entendimento deste escopo. Se isso não mudar, a estimativa não muda. O que muda é a velocidade a cada iteração.

Perceba que em projetos Scrum que necessitam de mais flexibilidade, tanto em seu planejamento quanto em seu desenvolvimento, Story Points tornam as coisas mais fáceis até no tenebroso momento de estimar tarefas. Afinal, estimar tarefas não precisa ser um bicho de sete cabeças, não é mesmo?

Fontes ou inspirações para este artigo:
 – A Guide to the Scrum Body of Knowledge – Scrum Study
 – Why story points are better than hours for estimation, artigo da Scrum Study

Clique aqui e veja esta aula prática de Sprint Burndown para saber como os pontos podem ser utilizados no acompanhamento do progresso do projeto – faça esta aula gratuitamente e aprenda mais!

Black Week Site Campus


#
Compartilhe!
Fale com o Site Campus

Tags: , , , , ,

  • Arya Stark from Winterfell

    Parte desse artigo tem que ser dedicada ao Giovanni Bassi, pois foi cópia do site da lambda3.
    https://www.lambda3.com.br/2011/09/porque-estimativas-com-story-points-sao-melhores-do-que-com-horas/

  • Frederico Aranha

    Oi Arya, vamos conversar com William sobre o que você está nos dizendo. Tens algum email para onde possamos te retornar? Vou buscar entender o que aconteceu e quero te mandar um follow up. Se quiseres podes me contatar em frederico.aranha@sitecampus.com.br – espero te responder logo.

  • Frederico Aranha

    Oi Arya, já falamos com o autor e ele fez a adição do link para o texto do Giovanni. Além disso, informou que o artigo do Giovanni foi uma das fontes utilizadas por ele. Existem muitos outros textos na internet com tópico idêntico, inclusive a base principal do artigo que é de uma das empresas que representamos aqui na escola

    Caso você queira conversar melhor sobre o tema ou tenha novas sugestões, estou ao teu dispor.

    Um abraço,

    FA