Duração das Atividades PMBOK na Prática - Site Campus Duração das Atividades PMBOK na Prática - Site Campus Duração das Atividades PMBOK na Prática - Site Campus

PMBoK - Estimando a duração das atividades

Por Frederico Aranha

PMBoK - Estimando a duração das atividadesDividi os artigos de áreas de conhecimentos grandes. Impossível apresentar um artigo com os 7 processos! É a área com o maior número de processos do PMBoK!

Atividades & Recursos Definidos: É Hora de Estimar a Duração!

Vamos iniciar o trabalho de estimativa de duração das atividades a partir do plano de gerenciamento do cronograma e as saídas dos processos anteriores, tais quais lista de atividades, atributos das atividades, requisitos de recursos das atividades, calendários de recursos, linha de base do escopo e ainda outros, como fatores ambientais e ativos de processos organizacionais. São MUITAS entradas, mas porque este é o processo que nos separa do desenvolvimento do cronograma.

Não Há Como Estimar Duração Sem Ter Estimado Recursos

Para estimar a duração das atividades, somos obrigados a ter estimado os recursos. Não temos como pensar em duração sem saber, por exemplo, quem vai fazer o que e o que precisamos em recursos não humanos para cada atividade. Uma vez tendo estimado os recursos, podemos empregar ferramentas de estimativa como a estimativa análoga, estimativa paramétrica e até mesmo a estimativa bottom-up, que já apresentei anteriormente. Aqui entra em cena também a estimativa top-down.

E as Ferramentas?

A estimativa análoga é simples, todas são. Em teoria, você compara as atividades do projeto atual com projetos anteriores. É importante que os projetos anteriores sejam semelhantes, caso contrário a analogia será quebrada! Quando falamos em top-down, estamos falando em uma entrega final de um projeto concluído e pegamos aquela informação, do prazo total, e estimamos com base neste projeto concluído mais as variações do projeto atual. Arriscado, não é?

A estimativa paramétrica é a estimativa feita por meio da utilização de parâmetros. Se temos bastante informações de projetos anteriores, e informações precisas, podemos criar parâmetros para as atividades. Podemos, por exemplo, ter um parâmetro para a construção de metro quadrado de uma empresa de construção. Sabemos quanto tempo nossos pedreiros, por exemplos, levam para construir cada metro quadrado com base na duração das atividades em projetos anteriores (que foram registradas de forma precisa e exata).

Uma técnica que não apresentei ainda é a estimativa de três pontos. Fiz assim porque queria que você desvinculasse ela das anteriores, pois iremos fazer alguns cálculos simples para chegar a estimativa que ela nos fornecesse. A estimativa PERT, de três pontos, são usadas quando existe um alto grau de incerteza envolvido em uma estimativa. As entradas para esta técnica são as estimativas: otimista, pessimista e a mais provável. Para obter o resultado final, aplicamos dois cálculos diferentes:

  • Distribuição beta: t=otimista+4(mais_provável)+pessimista/6
  • Distribuição triangular: t=otimista+mais_provável+pessimista/3

Existem mais algumas técnicas, como a análise de reservas, onde iremos criar reservas contingenciais para lidarmos com os riscos que identificamos e também as reservas gerenciais, a famosa gordurinha do churrasco, para riscos que sequer conhecemos. Para tomada de decisões existem técnicas de reunião, Delphi e ainda outras.

Não Existem Fantasmas: Gerenciamento de Projetos Não É Um Mistério!

As saídas deste processo não poderiam ser mais simples: as estimativas de duração, no formato em que você julgar mais adequado tendo como base as técnicas escolhidas para as estimativas, e atualizações nos documentos do projeto.

Siga-me no LinkedIn

Acesse e siga o professor Frederico Aranha no LinkedIn! Costumamos compartilhar vídeos por lá também, além de conversar bastante com todos profissionais da rede!

Para mais informações entre em contato!

Assine a newsletter do prof. Frederico Aranha
#
Fale com o Site Campus

Tags:, , , ,